Tese de mestrado da USP sobre rinite alérgica modificando as funções de respiração, mastigação e deglutição dos alimentos torna-se reportagem do Jornal o Estado de São Paulo
20/08/2010
Pesquisa realizada durante mais de dois anos, entre pacientes de 6 a 55 anos como base de tese de mestrado na Otorrino-USP, pela fonoaudióloga Catiane Maçaira de Lemos, foi destaque da página de Saúde do jornal O Estado de São Paulo.
A pesquisa realizada pela fonoaudióloga Catiane Maçaira de Lemos para montar sua tese de mestrado foi destaque da página de Saúde da edição de cinco de agosto, do jornal O Estado de São Paulo. “Acompanhei um trabalho de pesquisa junto a 170 pessoas com idade de 6 a 55 anos, cuja metade delas tinha rinite alérgica. Durante todo esse tempo, observei que o grupo que possuía rinite, apresentava alterações na forma de respirar, mastigar e engolir, além de alterações na oclusão dentária, problema estrutural relativo à posição dos dentes na boca”, disse a fonoaudióloga.

Durante o tempo de pesquisa, foi observado que, por causa da rinite, as pessoas que sofrem desse mal não respiram o tempo inteiro pelo nariz e por causa disso, modificam as estruturas musculares da língua, lábios e bochecha. “É sazonal, mas quem possui rinite, nem sempre percebe a modificação de sua respiração. Os adultos, que deveriam ter mais atenção – e força – para se manterem de boca fechada e respirando pelo nariz, não conseguem e acabam alterando toda a parte muscular que envolve a boca”, diz ela.

Segundo a fonoaudióloga, essa flacidez acaba por alterar todo o processo de mastigação, deglutição, respiração, fala e provoca, inclusive, má oclusão dentária. “Durante a mastigação, a pessoa tende a engolir mais rapidamente o alimento, não os triturando bem, além de adquirir uma mastigação de boca aberta”, comentou Catiane.

Com a flacidez da língua, quem possui rinite alérgica tende a associar à mastigação, no momento de engolir, movimentos da cabeça, forçando a lí'ngua contra os dentes e modificando a posição da arcada dentária. ”O importante é ressaltar que tudo isso se deve ao fato da pessoa ter rinite alérgica. Com a língua no lugar errado na hora de engolir, os dentes também ficam posicionados erroneamente e a mastigação se dá de maneira errada”, diz a fonoaudióloga.

Segundo ela, já existiam estudos dos efeitos da respiração oral na hipertrofia das amígdalas e da adenóide, mas em relação à rinite, foi o primeiro estudo que foi feito. “O resultado positivo disso é que a rinite, atualmente, deve ser tratada por uma equipe multidisciplinar – o otorrinolaringologista, o fonoaudiólogo e o ortodontista – para que não ocorra, no futuro, problemas advindos deste quadro, finalizou Catiane.

Leia mais detalhes no link da matéria do jornal O Estado de São Paulo.

Matéria Estadão


20/01/2020
Residentes da Turma de 2019 Recebem o Certificado!
13/01/2020
Nota de Falecimento
13/01/2020
A Disciplina de Orl da Fmusp Agradece o Magnifico Trabalho Desenvolvido Durante Todo o Ano de 2019!
17/12/2019
Conferência Magna com Palestrante Internacional Encerra o Ano Letivo da Disciplina de Otorrinolaringologia
10/12/2019
6º Curso de Dissecção do Osso Temporal na Universidade Federal do Rio Grande do Sul
09/12/2019
Vídeo - 75 anos do Hospital das Clínicas da FMUSP
09/12/2019
Produção Científica do Departamento de Otorrinolaringologia do Hc/FMUSP.
09/12/2019
Dia 9 de dezembro Dia do Fonoaudiologista
09/12/2019
II Confraria de Zumbido
Outras notícias