procedimentos OtorrinoUSP - Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

CIRURGIAS GRUPO OTOLOGIA HC - FMUSP
25/03/2013
Versão em PDF

Timpanoplastia
Otite Média Crônica Simples: CID H 72
Codigo do procedimento: HC 0404010350
TUSS 30403138 AMB: 51020246

Cuidados Pré-Operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Orelha seca há 3 meses;
3. Exames pré-operatórios;
4. Avaliação anestésica;
5. Termo de consentimento;
6. Alergias a medicações;
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirurgico.
● Antibiótico profilaxia: Cefazolina 1 g IV na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contralateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive (cabeça mais alta que a perna)
● Tricotomia retroauricular, se técnica retroauricular
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada (antes de anestesiar paciente)
● Checar equipamento de vídeo e gravação
● Avisar anestesista para não usar protóxido de azoto.

Materiais e Instrumental
1. Caixa de Ouvido
2. Caixa de Plástica Geral
3. Caixa de estiletes
4. Holder (suporte para espéculo) em caso de técnica transmeática
5. Afastadores de Lempert em caso de técnica de Lempert (supra meatal) tipo I
6. Amassador de fáscia
7. Microscópio e Capa para microscópio
8. Eletrocautério Monopolar
9. IobanT
10. Gelfoam®
11. 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática. Catgut simples 3.0 se acesso supra-meatal de Lempert
12. 1 Lâmina 11 e 1 Lâmina 15
13. 1 seringas 1 ml, 1 seringa 5 ml e 1 seringa de 20 ml
14. 1 agulha rosa e 1 agulha preta e jelco 24
15. Gaze e Compressa
16. Solução para infiltração: lidocaína 2% com adrenalina 1:80.000
17. Borracha para aspiração
18. Rayon e Furacin® se acesso supra-meatal de Lempert

Técnica Cirúrgica

A. Técnica via transmeática:
1. Infiltração do meato acústico externo (MAE) com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000
2. Confecção de enxerto, seja fáscia de músculo temporal ou pericôndrio de tragus.
3. Sutura de pele da área doadora do enxerto.
4. Reavivamento das bordas da perfuração da membrana timpânica (MT)
5. Incisão longitudinal no MAE às 6 e às 12 horas.
6. União das incisões através de incisão transversal a na altura da junção osteocartilaginosa.
7. Descolamento e rebatimento do retalho timpanomeatal para anterior.
8. Inspeção da caixa timpânica com exploração de cadeia ossicular e teste de mobilidade.
9. Colocação do enxerto overlay ou underlay a depender do tipo de perfuração se marginal ou central.
10. Preenchimento da cavidade timpânica com Gelfoam® até a altura da perfuração.
11. Preenchimento do MAE com Gelfoam®.
12. Curativo externo.
B. Técnica via retroauricular:
1. Infiltração da região retroauricular com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão da pele a 0.8 a 1.0 cm do sulco retroauricular.
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Transfixação do MAE com bisturi lâmina 11
6. (passos dos itens 4 a 11 da técnica via transmeática)
7. Sutura por planos.
8. Curativo externo compressivo.
C. Técnica Supra-Meatal de Lempert tipo 1
1. Infiltração região inter-tragus heliciana e do meato acústico externo (MAE) com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão inter-tragus heliciana com bisturi lâmina 11.
3. Hemostasia com cautério bipolar.
4. Dissecção da parte cartilaginosa da óssea do meato acústico externo com rugina.
5. Colocação dos afastadores de Lempert.
6. Incisão em pele de MAE das 6 às 12 horas.
7. (passos dos itens 7 a 11 da técnica via transmeática)
8. Sutura de pele com Catgut simples 3.0.
9. Colocação de rayon furacinado no MAE.
10. Curativo compressivo.

Cuidados Pós-Operatórios

1. Prescrição: Dieta leve no 1° dia, geral após; Cefalexina 500 mg 2 comp VO 6/6 h; Dimenidrato 1 comp VO 8/8h se necessário; Analgesia de 6/6 h se necessário (dipirona ou paracetamol). Cuidados: Não deitar sobre orelha operada, não trocar e não molhar curativo. Tossir e espirrar de boca aberta e evitar manobra de Valsalva.
2. Se técnica de Lempert retirar o Rayon do CAE no 2° PO.
3. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia .
4. Teste diapasão no 1º pós-operatório (Weber- normal é o som lateralizar para o lado operado).
5. Medicação após a alta: Cefalexina 500 mg 2 comp 6/6 h VO por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500 mg 2 comp ou Paracetamol 40 gotas VO 6/6h) se necessário.
6. Retorno no ambulatório de pós-operatório (quinta-feira) em 7-10 dias.
7. Proteção auricular no banho com algodão embebido em óleo ou vaselina até confirmação do fechamento do tímpano.
8. Evitar esforço físico por 1 mês.
9. Não aspirar orelha por 1 mês.
10. Repetir audiometria após 3 meses.
11. Entregar orientações e explicar cuidados pós-operatórios ao paciente.

Estapedotomia
Otosclerose: CID H 80.9
Cod procedimento: HC 0404010105
TUSS 30403146 AMB 51020238

Cuidados Pré-Operatórios

Checar:
1. Audiometria (realizada dentro de 6 meses);
2. Teste com diapasão: Rinne negativo;
3. Exame de Imagem (CT mastoides);
4. Exames pré-operatórios;
5. Avaliação anestésica;
6. Otoscopia: membrana timpânica íntegra;
7. Termo de consentimento;
8. Alergias do paciente.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirurgico.
● Confirmar antes do início da cirurgia disponibilidade de prótese de estapedotomia de Teflon.
● Antibiótico profilaxia: Cefazolina 1 g IV na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contralateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação
● Avisar anestesista para não usar protóxido de azoto.


Materiais e Instrumental
1. Caixa de Ouvido
2. Caixa estilete
3. Caixa de pequenas cirurgias
4. Medidor de prótese
5. Holder
6. Microscópio e Capa para microscópio
7. IobanT
8. Algodão estéril
9. Prótese para estapedotomia de Teflon medida 0,6 mm x 6 mm
10. 1 seringas 1 ml, 1 seringa 5 ml e 1 seringa de 20 ml
11. 1 agulha rosa e 1 agulha preta e 1 jelco 24
12. Gaze e Compressa
13. Solução para infiltração: lidocaína 2% com adrenalina 1:80.000
14. Borracha para aspiração
15. Gelfoam®
16. Afastradores de Lempert e cautério bipolar se técnica supra-meatal de Lempert

Técnica Cirúrgica

1. Infiltração do meato acústico externo (MAE) com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão na parede posterior do MAE , na região póstero-superior.
3. Descolamento e rebatimento do retalho timpanomeatal para anterior.
4. Afastar nervo corda tímpano, sem rompê-lo.
5. Curetagem da borda póstero superior da parede óssea do MAE até exposição de tendão músculo estapédio, nervo facial (porção timpânica) e platina.
6. Exploração de cadeia ossicular e teste de mobilidade. Confirmar que a fixação é da platina.
7. Secção do músculo tensor do estapédio.
8. Desarticulação da bigorna com o capítulo do estribo.
9. Remoção da supra estrutura do estribo.
10. Fenestração da janela oval.
11. Medida da distância entre a fenestra e o ramo longo da bigorna para corte da prótese de Teflon.
12. Colocação da prótese de Teflon e teste de mobilidade da cadeia ossicular.
13. Coágulo sobre a janela oval aberta.
14. Reposicionamento do retalho e membrana timpânica.
15. Preenchimento do MAE com Gelfoam®.

Cuidados Pós-Operatórios

1. Prescrição: Dieta leve quando bem acordado; Cefalexina 500 mg 2 comp VO 6/6 h; Dimenidrato 1 ampola IV 8/8h; Decadron 4mg IV 12/12h; Zofran 4mg IV 8/8h se necessário; Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol). Cuidados: Não deitar sobre orelha operada e não molhar. Tossir e espirrar de boca aberta e evitar Valsalva.
2. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia
3. Teste de Weber com diapasão: normal é que o som lateralize para o lado operado.
4. Medicação após a alta: Cefalexina 500 mg 2 comp 6/6 h VO por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500 mg 2 comp ou Paracetamol 40 gotas VO 6/6h) se necessário, Stugeron® 25 mg 1 cp 12/12h por 1 mês (a critério do médico Assistente), Deflazacort 30 mg 5dias, dose decrescente (a critério do médico Assistente).
5. Retorno no ambulatório de pós-operatório (quinta-feira) em 7-10 dias.
6. Orientar proteção auricular no banho até confirmação do fechamento do tímpano.
7. Contraindicada viagem de avião nos primeiros 30 dias de pós-operatório
8. Evitar esforço físico por 1 mês.
9. Não aspirar orelha por 1 mês.
10. Repetir audiometria após 3 meses.
11. Proibir mergulho submarino.
12. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.





Timpanomastoidectomia
Otite Média Crônica Supurativa: CID H66
Otite Média Crônica Colesteatomatosa: CID H71
Código Procedimento: HC 0404010229
TUSS 30403111 AMB 51020262

Cuidados Pré-operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Exame de Imagem (CT mastoides);
3. Exames pré-operatórios;
4. Avaliação anestésica;
5. Termo de consentimento;
6. Alergias do paciente.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirúrgico.
● Tricotomia retroauricular
● Antibiótico profilaxia: Cefazolina 1 g IV ou Ciprofloxacina 400 mg IV se orelha infectada, na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contralateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação
● Avisar anestesista para não usar protóxido de azoto.



Materiais e Instrumental
1. Caixa de Ouvido
2. Caixa de Plástica
3. Caixa de estilete
4. Motor Volvere
5. Brocas cortantes e diamantadas
6. Amassador de fáscia
7. Cubas com soro para irrigação
8. Cera de osso
9. Microscópio e Capa para microscópio
10. Eletrocautério Monopolar
11. IobanT
12. Gelfoam®
13. 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática
14. 1 Lâmina 11 e 1 Lâmina 15
15. 2 seringas 20 ml, 1 seringa 5 ml e 1 seringa insulina
16. 1 agulha rosa e 1 agulha preta e jelco 24
17. Gaze e Compressa
18. Solução para infiltração: lidocaína 2% com adrenalina 1:80.000
19. Borracha para aspiração


Técnica Cirúrgica

1. Infiltração retroauricular e do meato acústico externo (MAE) com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão da pele a 0.8 a 1.0 cm do sulco retroauricular.
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Incisão da pele do MAE na junção osteocartilaginosa das 6 às 12 horas.
6. Reavivamento das bordas da perfuração da membrana timpânica (MT) com retirada de placas de timpanosclerose (se presentes).
7. Descolamento e rebatimento do retalho timpanomeatal para anterior.
8. Inspeção da caixa timpânica com exploração de cadeia ossicular e teste de mobilidade.
9. Broqueamento da mastoide até os limites: seio sigmoide, dura-mater da fossa media, ângulo sinodural e canal semicircular lateral.
10. Antrostomia e aticotomia, com identificação nervo facial na porção timpânica.
Remoção do colesteatoma, se presente. Realização de timpanotomia posterior, quando necessário
11. Reconstrução de cadeia ossicular com interposição de fragmento ósseo da cortical mastoidea ou bigorna remodelada, se martelo e supra-estrutura do estribo presentes.
12. Retirada de enxerto de fáscia de músculo temporal.
13. Colocação do enxerto overlay ou underlay a depender do tipo de perfuração se marginal ou central.
14. Preenchimento da cavidade timpânica com Gelfoam® até a altura da perfuração.
15. Preenchimento do MAE com Gelfoam®.
16. Fechamento por planos com Vicryl 3.0 e de pele com Nylon 4.0.
17. Curativo externo compressivo.
18. Envio de material à patologia.

Cuidados Pós-Operatórios

1. Prescrição: Dieta leve quando bem acordado no primeiro dia, geral após; Ciprofloxacina 500 mg VO 12/12 h; Dimenidrato 1 amp IV 8/8h ; Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol). Cuidados: Não deitar sobre orelha operada, não trocar e não molhar curativo. Tossir e espirrar de boca aberta e evitar Valsalva.
2. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
3. Teste diapasão no 1º PO (Weber), confirmar que não houve degeneração.
4. Medicação após a alta: Ciprofloxacina 500 mg VO 12/12h por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500 mg 2 comp ou Paracetamol 40 gotas VO 6/6h) se necessário.
5. Retorno no ambulatório de pós-operatório (quinta-feira) em 7-10 dias.
6. Proteção auricular no banho até confirmação do fechamento do tímpano.
7. Evitar esforço físico por 1 mês.
8. Não aspirar orelha por 1 mês.
9. Repetir audiometria após 3 meses.
10. Checar resultado anatomopatológico.
11. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.




Mastoidectomia Cavidade Aberta

Otite Média Crônica Colesteatomatosa: CID H71
Código Procedimento: HC 0404010210
TUSS 30403081 AMB 51020181

Cuidados Pré-Operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Exame de Imagem (CT mastoides);
3. Exames pré-operatórios;
4. Avaliação anestésica;
5. Termo de consentimento;
6. Alergias do paciente.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirúrgico.
● Tricotomia retroauricular.
● Antibiótico profilaxia: Cefazolina 1 g IV ou Ciprofloxacina 400 mg IV se orelha infectada, na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contra-lateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação

Materiais e Instrumental
1. Caixa de Ouvido
2. Caixa de Plástica
3. Caixa de estiletes
4. Motor Volvere
5. Canetas reta e angulada
6. Brocas cortantes e diamantadas
7. Amassador fáscia
8. Cubas com soro para irrigação
9. Cera de osso
10. Microscópio e Capa para microscópio
11. Eletrocautério Monopolar
12. IobanT
13. Gelfoam®
14. 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática
15. 1 Lâmina 11 e 1 Lâmina 15
16. 2 seringas 20 ml, 1 seringa 5 ml e 1 seringa insulina
17. 1 agulha rosa e 1 agulha preta e jelco 24
18. Gaze e Compressa
19. Solução para infiltração: lidocaína 2% com adrenalina 1:80.000
20. Borracha para aspiração
21. Rayon
22. Furacin®

Técnica Cirúrgica

1. Infiltração retroauricular e do meato acústico externo (MAE) com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão da pele a 0.8 a 1.0 cm do sulco retroauricular.
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Incisão da pele do MAE na junção osteocartilaginosa das 6 as 12 horas.
6. Reavivamento das bordas da perfuração da membrana timpânica (MT) com retirada de placas de timpanosclerose (se presentes).
7. Descolamento e rebatimento do retalho timpanomeatal para anterior e depois retirada da pele do conduto.
8. Inspeção da caixa timpânica com exploração de cadeia ossicular se presente. Em caso de radical, retirar cadeia, membrana, anel timpânico, obliterar tuba. Se Bondy, manter tuba aberta.
9. Broqueamento da mastoide até os limites: seio sigmoide, dura-mater fossa media, ângulo sinodural, canal semi-circular lateral e ponta da mastoide.
10. Antrostomia e aticotomia, com identificação nervo facial na porção timpânica.
11. Remoção do colesteatoma.
12. Rebaixamento da parede posterior do CAE até o nível do nervo facial, mantendo-o íntegro.
13. Obliteração da tuba auditiva com cera de osso após broqueamento da mesma.
14. Confecção de enxerto fáscia temporal
15. Colocação de fáscia temporal em caixa timpânica
16. Infiltração da região da concha auricular. Meatoplastia em "Y".
17. Fechamento por planos com Vicryl 3.0 e de pele com Nylon 4.0.
18. Colocação de Gelfoan® em cavidade mastoidea
19. Tamponamento da cavidade e da meatoplastia com Rayon embebido em Furacin®.
20. Curativo externo compressivo.
21. Envio de material à patologia.


Cuidados Pós-Operatórios

1. Prescrição: Dieta leve quando bem acordado no primeiro dia, geral após; Ciprofloxacina 500 mg 12/12 h ; Dimenidrato 1 amp IV 8/8h ; Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol). Cuidados: Não deitar sobre orelha operada, não trocar e não molhar curativo. Tossir e espirrar de boca aberta e evitar valssalva.
2. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
3. Teste diapasão no 1º PO (Weber), confirmar que não houve degeneração.
4. Retirar o Rayon antes da alta, no 2° dia de pós-op.
5. Medicação após a alta: Ciprofloxacina 500 mg VO de 12/12 h por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500 mg 2 comp ou Paracetamol 40 gotas VO 6/6 h se necessário. Receita de pomada Terracortril
6. Retorno no ambulatório de pós-operatório (quinta-feira) em 7-10 dias. Aspirar coágulos e secreção da cavidade. Aplicar pomada Terracortril® neste momento.
7. Proteção auricular no banho.
8. Evitar esforço físico por 1 mês.
9. Repetir audiometria após 3 meses.
10. Checar resultado anatomopatológico.
11. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.


Correção Fístula Liquórica Otogênica

CID: G 96.0
Código Procedimento: HC 0404010229
TUSS 30403081 AMB 51020181


Cuidados Pré-operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Exame de Imagem (CT e RM mastóides);
3. Exames pré-operatórios, Avaliação anestésica;
4. Termo de consentimento;
5. Alergias do paciente.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirurgico
● Tricotomia retroauricular e fossa ilíaca esquerda
● Preparar abdome - preferência para Fossa iliaca esquerda, evitar cicatriz em local de apendicectomia
● Avisar anestesista caso seja necessário punção lombar para injeção de fluoresceína e/ou DLE pós-operatória
● Antibiótico profilaxia: Cefepime 1 g IV na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Sondagem vesical de demora
● Tubo IOT contra-lateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação

Materiais e Instrumental
1. Caixa de Ouvido
2. Caixa de Plástica
3. Caixa de estiletes
4. Motor Volvere
5. Canetas reta e angulada
6. Brocas cortantes e diamantadas
7. Amassador fáscia
8. Cubas com soro para irrigação
9. Cera de osso
10. Microscópio e Capa para microscópio
11. Eletrocautérios Monopolar e Bipolar
12. IobanT
13. Gelfoan®
14. Cola de fibrina
15. 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática
16. 1 Lâmina 11 e 1 Lâmina 15
17. 2 seringas 20 ml e 1 seringa 5 ml
18. 1 agulha rosa e 1 agulha preta
19. Gaze e Compressa
20. Solução para infiltração: lidocaína 2% com adrenalina 1:80.000
21. Borracha para aspiração
22. Dreno Penrose 1


Técnica Cirúrgica

1. Derivação lombar externa com inserção de cateter epidural (18G portex) no espaço subaracnóideo.
2. Injeção de fluoresceína 5% (0,01ml/Kg), diluído em 10 ml de SF 0,9%.
3. Infiltração retroauricular com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
4. Incisão da pele a 0.8 a 1.0 cm do sulco retroauricular.
5. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
6. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
7. Broqueamento da mastoide até os limites: seio sigmoide, dura-máter fossa média, ângulo sinodural, canal semicircular lateral e ponta mastoide.
8. Antrostomia e aticotomia, com identificação nervo facial na porção timpânica.
9. Identificação da topografia da fístula.
10. Confecção de enxerto fáscia temporal
11. Retirada de gordura abdominal, deixar dreno de penrose nº1 abdominal e retirar em 48h
12. Ampliação do orifício da fístula com broca diamantada e descolamento da dura-máter com dissector pela falha óssea ampliada, inserindo o enxerto de fáscia do músculo temporal entre a dura-máter e o osso do tegmen, estabilizando-o com cola de fibrina.
13. Inserção, no mesmo orifício, de gordura retirada do abdome do paciente e igualmente fixada com cola de fibrina.
14. Opção ou não por obliteração da mastoide com gordura retirada do abdome.
15. Hemostasia cuidadosa da ferida operatória abdominal, dreno de Penrose 1.
16. Fechamento por planos com Vicryl 3.0 e de pele com Nylon 4.0.
17. Curativo externo compressivo.




Cuidados Pós-Operatórios

1. Cuidados: Repouso absoluto 2 dias. Depois, repouso relativo por 2 dias. Curativo compressivo não é trocado por 3 dias. A derivação lombar externa aberta por 2 dias, fechada por 1 dia, sendo retirada no quarto dia. Manter bolsa coletora na altura do leito.
2. Cuidados com a ferida abdominal (tracionar dreno no 1° PO e retirar no 2° PO se OK)
3. Prescrição: Dieta leve e laxativa quando bem acordado; Ceftriaxone 2g IV 12/12 h; Dimenidrato 1 ampola IV 8/8h; Decadron 4mg IV 12/12h; Zofran 4mg IV 8/8h se necessário; Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol). Cuidados: Não deitar sobre orelha operada e não molhar. Tossir e espirrar de boca aberta e evitar Valsalva. Decúbito elevado a 30º
4. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
5. Teste de Weber com diapasão: normal é que o som lateralize para o lado operado.
6. Medicação após a alta: Cefalexina 500 mg 2 comp 6/6 h VO por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500 mg 2 comp ou Paracetamol 40 gotas VO 6/6h) se necessário.
7. Retorno no ambulatório de AGS fellow (segunda-feira) em 7-10 dias.
8. Evitar esforço físico por 1 mês.
9. Repetir audiometria após 3 meses.
10. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.



Cirurgia de descompressão do Nervo Facial

Paralisia Facial Periférica: CID G51
Código Procedimento: HC 0404020135
TUSS 30404053 AMB 51020270

Cuidados Pré-operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Exame de Imagem (CT mastoide);
3. Exames eletrofisiológico (ENG e/ou EMG);
4 Exames pré-operatórios, Avaliação anestésica;
5. Termo de consentimento;
6. Alergias do paciente.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirúrgico
● Teste de Schirmmer
● Confirmar via de abordagem com assistente (transmatoídea, fossa media ou combinada/total)
● Tricotomia retroauricular
● Avisar anestesista para infusão de manitol se via fossa média
● Sondagem vesical de demora se via fossa media
● Antibiótico profilaxia: Cefepime 1 g IV se via fossa média ou Cefazolina 1 g IV se via transmastoídea, na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contra-lateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Tricotomia e antissepsia da perna direita se for realizado enxerto de nervo sural
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação




Materiais e Instrumental
1. Caixa de tumor
2. Caixa nervo facial
3. Afastador de Fossa Média (se for realizada abordagem via fossa craniana média)
4. Caixa de Ouvido
5. Caixa de Plástica
6. Caixa de Estiletes
7. Amassador de fáscia
8. Motor Volvere
9. Canetas reta e angulada
10. Brocas cortantes e diamantadas
11. Cubas com soro para irrigação
12. Cera de osso
13. Microscópio e Capa para microscópio
14. Eletrocautérios Monopolar e Bipolar
15. IobanT
16. 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática
17. 1 Lâmina 11 e 1 Lâmina 15
18. 2 seringas 20 ml, 1 seringa 5 ml e 1 seringa insulina
19. 1 agulha rosa, 1 agulha preta e jelco 24
20. Gaze e Compressa
21. Solução para infiltração: lidocaína + adrenalina 1:80.000
22. Borracha para aspiração
23. Dreno Portovac (se for realizada abordagem via fossa craniana média)
24. Cotonoide
25. Surgicel®
24. Afastadores tipo "anzol"


Técnica cirúrgica

A. Via Transmastoídea

1. Infiltração retroauricular e de meato acústico externo (MAE) com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão da pele a 0.8 a 1.0 cm do sulco retroauricular.
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Broqueamento da mastoide até os limites: seio sigmoide, dura-mater fossa media, ângulo sinodural, canal semi-circular lateral e ponta mastoide.
6. Antrostomia e aticotomia, com identificação nervo facial na porção timpânica.
7. Timpanotomia posterior ampla
8. Identificação do canal falopio desde gânglio geniculado até forame estilomastoide (altura musculo digastrico)
9. Abertura bainha nervo facial (exceto se houver colesteatoma ou infecção ativa)
10. Reconstrução cadeia ossicular caso desarticulada
11. Fechamento por planos com Vicryl 3.0 e de pele com Nylon 4.0.
12. Curativo externo compressivo.



A. Via Fossa Média
1. Infiltração retroauricular com solução de Lidocaína 2% e adrenalina, 1:80.000
2. Incisão retroauricular em "C", estendendo-se superiormente aproximadamente 7 cm da direção da raiz do arco zigomático.
3. Confecção do retalho muscular e exposição da cortical óssea da região temporal e mastoidea.
4. Confecção de enxerto de fáscia de músculo temporal
5. Craniotomia temporal, realizada com broca pequena, com retirada de flap ósseo retangular, medindo 3.0 X 4.0 cm, centrada na raiz do arco zigomático
6. Pequena abertura da dura máter com drenagem de LCR para diminuir a tensao e facilitar o afastamento
7. Descolamento da dura-máter do assoalho da fossa média, até a identificação da eminência arqueada, nervo petroso superficial maior, crista petrosa e artéria meníngea média.
8. Colocação do afastador de fossa media House-Urban
9. Broqueamento tegmen timpani com broca diamantada para identificação gânglio geniculado e processo cocleariforme
10. Exposição da porção labiríntica nervo facial até MAI
11. Abertura bainha nervo facial no gânglio geniculado e porção labiríntica
12. Secção e cauterização com cautério bipolar nervo petroso superficial maior
13. Reparação tegmen timpani com fáscia e cola de fibrina no caso de acesso combinado via transmastoídea
14. Reposicionamento flap ósseo e fixação com pontos de nylon 2.0
15. Sutura retalho muscular com vycril 3.0
16. Colocação dreno Portovac® no espaço subgaleal
17. Sutura do subcutâneo com Vicryl 3.0
18. Sutura de pele com Nylon 4.0
19. Curativo compressivo


Cuidados Pós-Operatórios

1. Prescrição: Dieta leve quando bem acordado; evoluir conforme aceitação. Cefalexina 500 mg 2 comp VO 6/6 h ; Dexametasona 4 mg 1 comp VO 12/12 h ; Dimenidrato 1 comp VO 8/8h se necessário; Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol). Cuidados: Não deitar sobre orelha operada, não trocar e não molhar curativo. Sacar SVD na enfermaria
2. Curativo compressivo com troca diária.
4. Observar debito dreno Portovac®. Sacar dreno quando debito inferior a 30 ml.
5. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
6. Medicação após a alta: Cefalexina 500 mg 2 comp 6/6 h VO por 7 dias; Dexametasona 4mg dose decrescente (2 comp 10 dias, depois 1 comp 5 dias, depois 1/2 comp 5 dias) total 20 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500mg 2 comp ou 40 gotas VO 6/6h ou Paracetamol) se necessário.
7. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.
8. Retorno no ambulatório de paralisia facial (segunda-feira) em 7-10 dias.


Cirurgia de descompressão do saco endolinfático

Hidropsia Endolinfática: CID H81.0

Código Procedimento: HC 0404010083
TUSS 30404010 AMB 51020270


Cuidados Pré-operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Exame de Imagem (CT mastoide);
3. Exames pré-operatórios, Avaliação anestésica;
4. Termo de consentimento;
5. Alergias do paciente.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirurgico
● Tricotomia retroauricular
● Antibiótico profilaxia: Cefepime 1 g IV na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contra-lateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação


Materiais e Instrumental
1. Caixa tumor
2. Caixa nervo facial
3. Caixa Plástica
4. Caixa de Estiletes
5. Motor Volvere
6. Canetas reta e angulada
7. Brocas cortantes e diamantadas
8. Cubas com soro para irrigação
9. Cera de osso
10. Cotonoide
11. Microscópio e Capa para microscópio
12. Eletrocautérios Monopolar e Bipolar
13. Surgicel®
14. IobanT
15. 1 Silastic®
16. 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática
17. 1 Lâmina 11 e 1 Lâmina 15
18. 2 seringas 20 ml e 1 seringa 5 ml
19. 1 agulha rosa e 1 agulha preta
20. Gaze e Compressa
21. Solução para infiltração: lidocaína com adrenalina 1:80.000
22. Borracha para aspiração

Técnica cirúrgica

1. Infiltração retroauricular e de meato acústico externo (MAE) com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão da pele a 0.8 a 1.0 cm do sulco retroauricular.
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Broqueamento da mastoide até os limites: seio sigmoide, dura-mater fossa media, ângulo sinodural, canal semicircular lateral e posterior e ponta mastoide.
6. Antrostomia
7. Exposição da dura-máter da fossa posterior, atrás do canal semicircular posterior e abaixo do seio sigmoide, com broca diamantada.
8. Exposição do saco endolinfático.
9. Incisão na parede lateral do saco endolinfático com lamina 11.
10. Colocação de Silastic®
11. Fechamento dos planos muscular e subcutâneo com Vicryl 3.0 e de pele com Nylon 4.0.
12. Curativo externo compressivo.

Cuidados Pós-operatórios

1. Prescrição: Dieta leve quando bem acordado; Ceftriaxone 2g IV 12/12 h; Dimenidrato 1 ampola IV 8/8h; Decadron 4mg IV 12/12h; Zofran 4mg IV 8/8h se necessário; Analgesia (Dipirona 500 mg 2 comp ou 40 gotas VO 6/6 h ou Paracetamol) .Cuidados: Não deitar sobre orelha operada e não molhar. Tossir e espirrar de boca aberta e evitar Valsalva.
3. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
4. Teste de Weber com diapasão: normal é que o som lateralize para o lado operado.
5. Medicação após a alta: Cefalexina 500 mg 2 comp 6/6 h VO por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500 mg 2 comp ou Paracetamol 40 gotas VO 6/6h) se necessário.
6. Retorno no ambulatório de AGS fellow (segunda-feira) em 7-10 dias.
7. Evitar esforço físico por 1 mês.
8. Repetir audiometria após 3 meses.
9. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.

Petrosectomia Subtotal
Neoplasia maligna da pele da orelha e do conduto auditivo externo CID: C 44.2
Código Procedimento: HC 0404010210
TUSS 30404126 AMB 51020360

Cuidados Pré-Operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Ficha da Reunião da Base de Crânio;
3. Exame de Imagem (CT mastoide e RM mastoides);
4. Exames pré-operatórios, Avaliação anestésica;
5. Termo de consentimento;
6. Alergias do paciente.
● Checar com antecedência disponibilidade das equipes (Grupo Boca - ORL, neurocirurgia, cabeça e pescoço e cirurgia plástica)
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirúrgico
● Tricotomia retroauricular e fossa ilíaca esquerda
● Preparar Abdome
● Antibiótico profilaxia: Cefepime 1 g IV na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contra-lateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Sondagem vesical de demora
● Monitorização do nervo facial
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação

Materiais e Instrumental
1. Caixa ouvido
2. Caixa complemento de ouvido
3. Caixa otorrino básica
4. Motor otorrino
5. Canetas reta e angulada
6. Brocas cortantes e diamantadas
7. Cubas com soro para irrigação
8. Cera de osso
9. Microscópio e Capa para microscópio
10. Eletrocautério Monopolar e Bipolar
11. IobanT
12. Cotonoide
13. Surgicel
14. 1 Lâmina 11 e 1 Lâmina 15
15. 2 seringas 20 ml e seringa 5ml
16. Agulha rosa e agulha preta
17. Gaze e Compressa
18. Borracha para aspiração
19. Rayon® e Furacin®



Técnica Cirúrgica

A. Subtotal

1. Infiltração retroauricular e MAE com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão da pele em "C" ampla aproximadamente 5 cm do sulco retroauricular.
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Broqueamento das células mastóideas com identificação de seio sigmoide, dura-máter da fossa média, ângulo sinodural, ponta mastoide e canal semicircular lateral.
6. Antrostomia e visualização de canal semicircular lateral com (ou sem) acometimento tumoral.
7. Rebaixamento da parede posterior do conduto auditivo externo até o nível do nervo facial, mantido íntegro se não houver acometimento do facial pelo tumor.
8. Retirada de bigorna e martelo.
9. Broqueamento da parede anterior do MAE com exposição da cápsula articular da cavidade gleoóide.
10. Broqueamento da região da tuba auditiva.
11. Amputação da ponta da mastoide e exposição do nervo facial no forame estilomastoideo.
12. Retirada de tumor de todo o antro, hipotimpano, recesso do facial, e sobre o promontório.
13. Exérese do tumor em conduto auditivo de forma circular (em bloco), preservando hélice do pavilhão e lóbulo.
14. Identificação e preservação do tronco do nervo facial e seus troncos temporo-facial e cervico-facial e ramos principais.
15. Obliteração da tuba auditiva.
16. Descolamento e rotação de retalho de músculo temporal para região de ATM retirada.
17. Rotação de retalho do músculo esternocleidomastóideo (parcial) para fechamento da região inferior ao meato ou meatoplastia.
18. Fechamento por planos com Vicryl 3.0 e de pele com Nylon 4.0.
19. Colocação de Rayon em MAE embebido em pomada com antibiótico ou Furacin®.
20. Curativo externo compressivo.
21. Envio de material à patologia.

B. Total

1. Infiltração retroauricular e MAE com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão da pele em "C" ampla aproximadamente 5 cm do sulco retroauricular.
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Broqueamento das células mastóideas com identificação de seio sigmóide, dura-máter da fossa média, ângulo sinodural, ponta mastoide e canal semicircular lateral.
6. Antrostomia e visualização de canal semicircular lateral com (ou sem) acometimento tumoral.
7. Rebaixamento da parede posterior do conduto auditivo externo até o nível do nervo facial, mantido íntegro se não houver acometimento pelo tumor.
8. Retirada da bigorna e martelo.
9. Broqueamento da parede anterior do MAE com exposição da cápsula articular da cavidade glenóide.
10. Broqueamento da região da tuba auditiva com identificação porção petrosa da ACI.
11. Amputação da ponta da mastoide e exposição do nervo facial no forame estilomastoideo.
12. Retirada de tumor de todo o antro, hipotimpano, recesso do facial, e sobre o promontório.
13. Broqueamentocom exposição dura-mater fossa media e posterior
14. Labirintectomia
15. Broqueamento da cóclea
16. Incisão da dura-mater fossa posterior para esvaziamento da cisterna
17. Tempo neurocirúrgico para retirada tumor intracraniano
18. Tempo da cirurgia plástica para reconstrução do defeito
19. Envio de material à patologia.

Cuidados Pós-Operatórios

1. Prescrição: Dieta leve quando bem acordado no primeiro dia, geral após; Cefalexina 500 mg 2 comp VO 6/6 h; Dimenidrato 1 amp IV 8/8h ; Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol). Cuidados: Não deitar sobre orelha operada, não trocar e não molhar curativo. Colírio de metilcelulose 1% 1 gt de 1/1 h e pomada de vitamina A + D ou Epitezan à noite se paralisia facial.
2. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
3. Medicação após a alta: Cefalexina 500 mg 2 comp 6/6 h VO por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500mg 2 comp ou 40 gotas VO 6/6h ou Paracetamol) se necessário.
4. Retorno no ambulatório de Base de crânio (quinta-feira) após alta.
5. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.
6. Evitar esforço físico por 1 mês.
7. Checar resultado anatomopatológico.

Exérese de Schwannoma Vestibular

Schwannoma Vestibular: CID D 33.3

Código Procedimento: HC 040402028-3
TUSS 30404134 AMB 51020378

Cuidados Pré-Operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Ficha da Reunião da Base de Crânio;
3. Exame de Imagem (RM mastoides, menos 6 meses);
4. Exames pré-operatórios, Avaliação anestésica;
5. Termo de consentimento;
6. Alergias do paciente.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirúrgico
● Confirmar com assistente via de acesso e necessidade de UTI
● Reserva de 2 concentrados de hemácia e vaga de UTI/UAC no dia anterior à cirurgia
● Tricotomia retroauricular e fossa ilíaca esquerda
● Preparar Abdome
● Antibiótico profilaxia: Cefepime 1 g IV na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contra-lateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Sondagem vesical de demora
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação

Materiais e Instrumental
1. Caixa de tumor
2. Caixa de nervo facial
3. Caixa de Plástica
4. Caixa de estiletes
5. Amassador de fascia
6. Afastador de fossa media (quando for realizada esta via)
7. Motor Volvere
8. Canetas reta e angulada
9. Brocas cortantes e diamantadas
10. Cubas com soro para irrigação
11. Afastadores tipo "anzol"
12. Cera de osso
13. Cotonoide
14. Microscópio e Capa para microscópio
15. Eletrocautérios Monopolar e Bipolar
16. Surgicel®
17. Cola fibrina
18. IobanT
19. 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática
20. 1 Lâmina 11 e 1 Lâmina 15
21. 2 seringas 20 ml e 1 seringa 5 ml
22. 1 agulha rosa e 1 agulha preta
23. Gaze e Compressa
24. Solução para infiltração: lidocaína + adrenalina 1:80.000
25. Borracha para aspiração
26. Monitor nervo facial
27. Eletrodos para monitorização percutânea de nervo facial


Técnica cirúrgica

A. Via Translabiríntica

1. Infiltração retroauricular com solução de Lidocaína 2% e adrenalina, 1:80.000
2. Incisão retroauricular em "C"ampla a 5 cm do sulco retro-auricular
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Broqueamento da mastoide até os limites: seio sigmoide, dura-máter fossa media, ângulo sinodural, canal semicircular lateral e ponta da mastoide.
6. Antrostomia
7. Descompressão do seio sigmoide, preservando uma "ilha" de osso sobre o seio, protegendo-o.
8. Labirintectomia.
9. Broqueamento e remoção do osso sobre a dura-máter da fossa posterior.
10. Exposição do bulbo jugular e da parede inferior do meato acústico interno (MAI), com identificação do aqueduto coclear.
11. Delimitação das paredes posterior e superior do MAI e identificação da crista transversa, barra de Bill e porção labiríntica do n. facial.
12. Abertura da dura-máter da fossa posterior na porção média do MAI, com esvaziamento da cisterna.
13. Identificação dos nervos facial, coclear e vestibulares superior e inferior.
14. Remoção do tumor.
15. Confecção de amplo enxerto de fáscia de músculo temporal
16. Retirada de gordura abdominal. Fechamento por planos e colocação de dreno de Penrose 1 na ferida abdominal.
17. Fechamento da abertura da dura mater com fáscia temporal, gordura abdominal e cola de fibrina.
18. Preenchimento da cavidade mastoidea com gordura e cola de fibrina.
19. Fechamento dos planos muscular e subcutâneo com Vicryl 3.0 separadamente.
20. Fechamento da pele com Nylon 4.0
21. Curativo compressivo.

B) Via Retrolabiríntica

1. Infiltração retroauricular com solução de Lidocaína 2% e adrenalina, 1:80.000
2. Colocação eletrodos fasciais percutaneos nervo facial e monitorização
3. Incisão retroauricular em "C"ampla a 5 cm do sulco retroauricular
4. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
5. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
6. Brocamento da mastóide até os limites: seio sigmoide, dura-máter fossa media, ângulo sinodural, canal semi-circular lateral e ponta mastoide.
7. Antrostomia
8. Descompressão do seio sigmóide, preservando uma "ilha" de osso sobre o seio, protegendo-o.
9. Exposição da dura máter da fossa posterior pré- e retrossigmoidea, e do seio sigmóide até o bulbo da v. jugular.
10. Esqueletização dos canais semicirculares posterior, até visualização de sua porção membranosa por transparência.
11. Broqueamento e remoção do osso sobre a dura-máter da fossa posterior.
12. Exposição do bulbo jugular e da parede inferior do meato acústico interno (MAI), com identificação do aqueduto coclear.
13. Abertura da dura-máter da fossa posterior na porção média do MAI, com esvaziamento da cisterna.
14. Dissecção do plano meatal e ressecção do tumor.
15. Confecção de amplo enxerto de fáscia de músculo temporal
16. Retirada de gordura abdominal. Fechamento por planos e colocação de dreno de Penrose 1.
17. Fechamento da abertura da dura-máter com fáscia temporal, gordura abdominal e cola de fibrina.
18. Preenchimento da cavidade mastóidea com gordura e cola de fibrina.
19. Fechamento dos planos muscular e subcutâneo com Vicryl 3.0 separadamente.
20. Fechamento da pele com Nylon 4.0
21. Curativo compressivo.



Cuidados Pós-operatórios
1. Cuidados: Repouso absoluto 2 dias. Depois, repouso relativo por 2 dias. Curativo compressivo não é trocado por 3 dias. No caso de necessidade de derivação lombar externa: deixar aberta por 2 dias, fechada por 1 dia, sendo retirada no quarto dia. Manter bolsa coletora na altura do leito.
2. Cuidados com a ferida abdominal (tracionar dreno no 1° PO e retirar no 2° PO se OK)
3. Decúbito igual ou maior que 30 graus
4. Prescrição: Dieta leve e laxativa quando bem acordado; Ceftriaxone 2g IV 12/12 h; Dimenidrato 1 ampola IV 8/8h; Decadron 4mg IV 12/12h; Zofran 4mg IV 8/8h se necessário; Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol). Lacrima Plus 2 gotas no olho de 1/1h (= Colírio de Metilcelulose); Epitezan à noite no olho do lado da paralisia e ocluí-lo. (=Pomada de Vitamina A + D)
5. Sacar SVD na enfermaria
6. Cuidados: Não deitar sobre orelha operada e não molhar. Tossir e espirrar de boca aberta e evitar Valsalva.
7. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
8. Medicação após a alta: Cefalexina 500 mg 2 comp (1g) 6/6 h VO por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500mg 2 comp ou 40 gotas VO 6/6h ou Paracetamol) se necessário.
9. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.
10. Retorno no ambulatório de AGS fellow (segunda-feira) em 7-10 dias.
11. Evitar esforço físico por 1 mês.

Timpanotomia exploradora com ou sem tubo de ventilação
OMS : CID H65.2
Cod procedimento: HC 0404010369
TUSS 30403154 AMB 51020220

Cuidados Pré-Operatórios

Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2.Exames pré-operatórios; Avaliação anestésica;
3. Termo de consentimento.
4. Alergias do paciente.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirurgico.
● Antibiótico profilaxia: Cefazolina 1 g IV na indução anestésica, 25 mg/kg peso (criança)
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contra-lateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Checar disponibilidade de tubo de ventilação
● Checar com assistente o tipo de tubo de ventilação indicado
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada


Materiais e Instrumental
1. Caixa de tubo de ventilação
2. Tubo de ventilação
3. Microscópio e Capa para microscópio
4. 1 seringa 20 ml e 1 seringa 5 ml e 1 seringa de insulina
5. 1 agulha rosa, 1 agulha preta e 1 jelco 24
6. Gaze e Compressa
7. Solução para infiltração: lidocaína + adrenalina 1:80.000
8. Borracha para aspiração
Técnica Cirúrgica

1. Infiltração do meato acústico externo (MAE) com solução de lidocaína 2% e adrenalina 1:80.000.
2. Incisão no quadrante ântero-inferior da membrana timpânica.
3. Aspiração de secreção (serosa, purulenta, catarral)
4. Colocação de tubo de ventilação.


Cuidados Pós-Operatórios
1. Cuidados: Não molhar ouvidos enquanto estiver com os tubos de ventilação. Orientar proteção com algodão embebido em óleo.
2. Medicação criança: Amoxicilina 50 mg/kg/dia VO 8/8h 10 dias; Dimenidrato B6 DL 1 gota por quilo VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500mg 2 comp ou 40 gotas VO 6/6h ou Paracetamol, se necessário). Caso seja adulto ajustar as doses.
3. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
4. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.
5. Retorno no ambulatório do residente que operou.
6. Repetir audiometria após extrusão dos tubos de ventilação.


Implante Coclear
Surdez Neurossensorial CID H 90.5
Código do procedimento: HC 0404010148
TUSS 30404061 AMB 51020394

Cuidados Pré-operatórios
Checar:
1. Exames eletrofisiológicos (BERA, EOA, Steady-state);
2. Audiometria; timpanometria;
3. Exame de Imagem (TC e RM mastoides);
4. Exames pré-operatórios, Avaliação anestésica ;
5. Vacinas (Pneumococo, Meningococo, Influenza tipo A, B e H1N1);
6. Termo de consentimento.
7. Alergias do paciente.

● Confirmar a indicação e o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirúrgico.
● Checar disponibilidade de implante coclear e a sua reserva (backup)
● Ficha implante coclear
● Tricotomia retroauricular
● Antibiótico profilaxia: Cefepime 1g IV e Dexametasona 12 mg na indução anestésica (adulto); Hidrocortisona 4mg/kg e Cefepime 50 mg/kg (criança)
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contralateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Monitorização do nervo facial

● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação



Materiais e Instrumental

1. Caixa de ouvido/ Implante coclear
2. Caixa de estiletes
3. Caixa de molde (IC)
4. Caixa de Plástica
5. Caixa de estiletes
6. Motor Volvere
7. Canetas reta e angulada
8. Brocas cortantes e diamantadas
9. Cera de osso
10. Microscópio e Capa para microscópio
11. Eletrocautérios Monopolar e Bipolar se re-operação ou bilateral
12. IobanT
13. 1 algodão agulhado 3.0, 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática
14. 1 Lâmina 15
15. 2 seringas 20 ml e 1 seringa 5 ml
16. 1 agulha rosa e 1 agulha preta
17. Gaze e Compressa
18. Solução para infiltração: lidocaína + adrenalina 1:80.000
19. Borracha para aspiração
20. Monitor de nervo facial
21. Eletrodos para monitorização percutânea do n. facial
22. Cubas com soro para irrigação


Técnica Cirúrgica

A. Via Transmastoídea
1. Infiltração retroauricular com solução de Lidocaína 2% e adrenalina, 1:80.000
2. Incisão retroauricular em "C"à 0.8 a 1.0 cm do sulco retro-auricular
3. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
4. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
5. Brocamento da mastoide até os limites: seio sigmoide, dura-máter fossa media, ângulo sinodural, canal semicircular lateral
6. Antrostomia com visualização do ramo curto da bigorna
7. Timpanotomia posterior
8. Confecção do nicho para acomodar a unidade interna do IC na escama do osso temporal
9. Cocleostomia ou brocamento nicho janela redonda
10. Desligar o eletrocautério monopolar após a colocação do implante coclear (não poderá ser usado mais)
11. Posicionamento da unidade interna no nicho
12. Inserção do feixe de eletrodos
13. Obliteração de timpanotomia posterior com fragmento músculo temporal
14. Fechamento da ferida operatória por planos (sutura intradérmica se criança)

15. Curativo compressivo.

Cuidados Pós-operatórios
1. Dieta leve quando bem acordado, Cefalexina 500 mg 2 comp VO de 6/6h, Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol), Dramin 1 cp VO de 8/8h se necessário. Orelha operada para cima, não molhar e não trocar curativo.
2. Preencher a descrição cirúrgica do prontuário e a ficha de implante coclear.
3. Receita de alta: Cefalexina 500 mg 2 comp VO de 6/6h, Analgesia (Dipirona 500mg 2cp VO 6/6 h ou Paracetamol), Dramin 1 cp VO de 8/8 h se necessário.
4. RX transorbitário ou CT de ouvido
5. Refazer curativo compressivo em 24 h, e manter por 48 h (paciente retira em casa)
6. Não molhar ouvido operado até liberação do médico: proteção com algodão e óleo no banho.
7. Retorno no ambulatório de implante coclear: em 15 dias para retirar pontos e em 30 dias para ativação. Agendar com a secretária do ambulatório de implante na alta.
8. Pode viajar de avião no dia seguinte, evitar traumatismo no local da cirurgia, e viagem longa de carro ou ônibus nos primeiros dias de pós-operatório. Caso paciente faça viagem de avião, fazer atestado autorizando a viagem.
9. Orientar que não poderá usar eletrocautério MONOPOLAR nas próximas cirurgias que realizar
10. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.


Exérese de Glômus Jugular
CID: I 87.9
Código do procedimento : HC *Timpânico 0404010288 *Jugular 0404020305
Timpânico: TUSS 30403073 AMB 51020165
Jugular: TUSS 30403065 AMB 51020157

Cuidados Pré-operatórios
Checar:
1. Audiometria (recente, até 6 meses);
2. Ficha da Reunião da Base de Crânio;
3. Exame de Imagem (TC e RM mastoides e pescoço, menos 6 meses);
4. Exames pré-operatórios, Avaliação anestésica;
5. Termo de consentimento;
6. Alergias do paciente.
● Internar para embolização 2 a 5 dias antes.
● Confirmar o lado cirúrgico com paciente, marcar lateralidade antes de subir para centro cirúrgico.
● Confirmar com assistente via de acesso e necessidade de UTI.
● Reserva de 2 concentrados de hemácia e vaga UAC/UTI no dia anterior à cirurgia
● Monitorização do N. facial.
● Confirmar equipes cirúrgicas com antecedência (NC e Grupo Boca -ORL)
● Acesso venoso central
● Tricotomia retroauricular e fossa ilíaca esquerda
● Preparar Abdome
● Sondagem vesical de demora
● Antibiótico profilaxia: Cefepime 1g IV na indução anestésica
● Colocar cinta abdominal
● Cabeça do paciente na perneira
● Tubo IOT contra-lateral ao lado a ser operado
● Posição de Proclive
● Testar microscópio (colimação, foco), verificar back up de lâmpada
● Checar equipamento de vídeo e gravação



Materiais e Instrumental

1. Caixa de tumor
2. Caixa de ouvido
3. Caixa de estiletes
4. Caixa de Plástica
5. Caixa de Tireoidectomia
6. Motor Volvere
7. Canetas reta e angulada
8. Brocas cortantes e diamantadas
9. Amassador de fáscia
10. Cera de osso
11. Microscópio e Capa para microscópio
12. Eletrocautérios Monopolar e Bipolar
13. IobanT
14. Surgicel®
15. Gelfoan®
16. 1 algodão agulhado 3.0, 1 Nylon 4.0 e 2 Vicryl 3.0 agulha traumática
17. 1 Lâmina 15
18. 2 seringas 20 ml e 1 seringa 5 ml
19. 1 agulha rosa e 1 agulha preta
20. Gaze e Compressa
21. Solução para infiltração: lidocaína + adrenalina 1:80.000
22. Borracha para aspiração
23. Cubas com soro para irrigação
24. Monitor nervo facial
25. Eletrodos percutâneos para monitorização de n.facial
26. Vessel loop (1vermelho, 1 azul, 2 amarelos)
27. Cotonoide ou algodão laminado estéril preparado

Técnica Cirúrgica

A. Acesso Transcanal (Glômus timpânico - limitado ao promontório)
1. Infiltração retroauricular com solução de lidocaína 2% com vasoconstritor 1:80.000
2. Incisão longitudinal no meato acústico externo às 6 e 12 horas.
3. Descolamento do retalho timpanomeatal posterior.
4. Acesso à caixa timpânica, com visualização do tumor, remoção e hemostasia com eletrocautério bipolar.
5. Hemostasia com Gelfoan® e Surgicel® S/N.
6. Reposicionamento do retalho timpanomeatal
7. Gelfoan no MAE.
B) Acesso Transmastoideo + Infratemporal + Craniano
1. Infiltração retroauricular com solução de Lidocaína 2% e adrenalina, 1:80.000
2. Incisão retroauricular em "C"ampla a 5 cm do sulco retro-auricular com extensão para região cervical
3. Dissecção cervical com exposição e secção do ventre posterior do m. digástrico. Secção do m.esternocleidomastoideo. Isolamento do n. vago, a. carótida, v. jugular.
4. Dissecção por planos e rebatido pavilhão para anterior.
5. Confecção de retalho de Palva pediculado anterior, com exposição de cortical da mastoide.
6. Broqueamento da mastoide até os limites: seio sigmoide, dura-máter fossa media, ângulo sinodural, canal semicircular lateral e ponta da mastoide.
7. Antrostomia
8. Ressecção e cauterização do tumor com eletrocautério bipolar.
9. Exposição do seio sigmoide desde seio petroso superior maior até bulbo da v. jugular
10. Amputação da ponta mastoide
11. Desinserção musculo esternocleidomastóideo
12. Ligadura veia jugular interna alta e remoção porção proximal
13. Incisão do seio sigmoide e obliteração com Surgicel ou sutura para ligadura do seio
14. Rebaixamento da parede posterior do meato acústico externo (MAE)
15. Labirintectomia e exposição dura-máter da fossa posterior, de acordo com a extensão do tumor.
16. Broqueamento para identificação e isolamento a. carótida interna porção petrosa
17. Ressecção do tumor com extensão intracraniana, quando houver
18. Confecção de amplo enxerto de fáscia de músculo temporal
19. Retirada de gordura abdominal. Fechamento por planos da ferida abdominal e colocação de dreno de Penrose n° 1.
20. Fechamento da abertura da dura-máter com fáscia temporal, gordura abdominal e cola de fibrina.
21. Preenchimento da cavidade mastoidea com gordura e cola de fibrina.
22. Amputação do MAE, com sutura com pontos separados, Vicryl 3.0 e Nylon 4.0
23. Fechamento dos planos muscular e subcutâneo com Vicryl 3.0 separadamente.
24. Colocação de dreno Portovac® na região cervical (de acordo com a conduta do médico assistente)
25. Fechamento da pele com Nylon 4.0
26. Curativo compressivo.



Cuidados Pós-operatórios
1. Cuidados: Repouso absoluto 2 dias. Depois, repouso relativo por 2 dias. Curativo compressivo não é trocado por 3 dias. Caso seja necessária derivação lombar externa: deixar aberta por 2 dias, fechada por 1 sendo retirada no quarto dia. Manter bolsa coletora na altura do leito.
2. Retirar dreno de Portovac® conforme redução do débito (geralmente quando 30 ml ou menos)
3. Caso haja disfagia, o que é comum após manipulação de IX e X pares cranianos, avaliar necessidade de SNG e avaliação fono.
4. Cuidados com a ferida abdominal (tracionar dreno no 1° PO e retirar no 2° PO se OK)
5. Prescrição: Dieta leve e laxativa quando bem acordado; Ceftriaxone 2g IV 12/12 h; Dimenidrato 1 ampola IV 8/8h; Decadron 4mg IV 12/12h; Zofran 4mg IV 8/8h se necessário; Analgesia de 6/6h se necessário (dipirona ou paracetamol). Lacrima Plus® 2 gotas no olho de hora em hora. (= Colírio de Metilcelulose 1%); Epitezan® à noite no olho do lado da paralisia e ocluí-lo. (=Pomada de Vitamina A + D)
6. Cuidados: Não deitar sobre orelha operada e não molhar. Tossir e espirrar de boca aberta e evitar Valsalva.
7. Preencher descrição de cirurgia do prontuário e ficha cirúrgica do Grupo de otologia.
8. Medicação após a alta: Cefalexina 500 mg 2 comp 6/6 h VO por 7 dias; Dimenidrato 1 comp VO 8/8 h se necessário; e Analgesia (Dipirona 500mg 2 comp ou 40 gotas VO 6/6h ou Paracetamol) se necessário.
9. Retorno no ambulatório de AGS fellow (segunda-feira) em 7-10 dias.
10. Evitar esforço físico por 1 mês.
11. Entregar orientações de cuidados pós-operatórios ao paciente.


29/05/2018
XIII Curso de Potenciais Evocados Auditivos
18/05/2018
O primeiro Tratado sobre paralisia facial publicado no Brasil foi lançado no dia 6/05/2018
16/05/2018
Dra. Larissa Vilela Pereira foi aprovada em sua defesa de Tese de Doutorado
14/05/2018
International Archives Of Otorhinolaryngology - a Revista de Orl com Maior Impacto do Brasil!
11/05/2018
O Primeiro Tratado sobre Paralisia Facial Publicado no Brasil
08/05/2018
Professor Ricardo Inova Implante Coclear com Auxílio da Tecnologia Portátil de Endoscopia Otológica
26/04/2018
VI Curso Teórico-Prático de Rinoplastia para iniciantes - Hands on, realizado pela Fundação Otorrinolaringologia
03/04/2018
Implante Coclear É Destaque no Mais Voce da Rede Globo
03/04/2018
Tese de Doutorado de Patrícia Simonetti
Outras notícias