Normas da Residência de Otorrinolaringologia
28/01/2011
Normas da residência de Otorrinolaringologia
Divisão Clínica de Otorrinolaringologia
HC – FMUSP / 2011
1. Qualquer problema ou dúvida deverá ser tratado diretamente com o preceptor.

2. É obrigatório o cumprimento de todas as atividades conforme escalas em anexo.

3. Existem funções pré-estabelecidas que competem a R1, R2 e R3. Existe também hierarquia entre os residentes, garantindo o cumprimento de tais funções e, consequentemente, o bom funcionamento da equipe. Havendo algum problema, este deve ser resolvido entre o grupo e, se não houver consenso, deverá ser comunicado diretamente ao preceptor.

4. Na ausência do R1 do grupo por qualquer motivo (cirurgia, férias, etc), o R2 do grupo assumirá as funções do mesmo para o bom andamento das atividades do departamento.

5. É proibida a atividade profissional alheia à Residência para os residentes de primeiro, segundo e terceiro ano.

6. FÉRIAS
É permitido 1 período de férias com duração de 30 dias, no estagio do HU para R1, no estagio extra para R2 e no estagio da plástica para R3. Assim na medida do possível foi dividido as férias de todos os residentes, sem privilégios.

7. FUNÇÕES DOS RESIDENTES

R1
- responsável pelos pacientes e pelos prontuários da enfermaria
- responsável pelo atendimento do PSORL
- responsável pelos casos novos do ambulatório
- participar de todas as cirurgias do grupo
- realizar as biópsias do ambulatório
- realizar todos os procedimentos na enfermaria e PSORL, sob supervisão do R2, R3 ou assistente
- preparar e transportar o material para o SVO nos dias de dissecção
- registro de todas as cirurgias de emergência no livro de cirurgias de enfermaria, mesmo que suspensas ou prorrogadas
- realizar as evoluções de fim de semana com início até as 8:00
- Participação no providenciamento de sala cirúrgica bem como da equipe anestésica em casos de urgência.
- Responsável por preparar todas as reuniões de grupo
- Responsável pela evolução dos pacientes internados na enfermaria, bem como passar os casos durante as visitas diárias.

R2
- auxiliar e discutir casos com o R1 na enfermaria, PSORL, biópsias
- responsável pelo atendimento dos casos antigos do ambulatório
- responsável pelo bom andamento do grupo, condutas de fim de semana
- participar de todas as cirurgias do grupo
- supervisionar prontuários, internações
- fazer o pré e pós-operatório dos seus pacientes

R3
- orientar e coordenar R1 e R2 (enfermaria, PSORL, ambulatório, SVO)
- auxiliar R1 e R2 em procedimentos cirúrgicos quando necessário
- responsável pelo material vídeo / endoscópico do departamento
- participar de todas as cirurgias do grupo
- definir condutas de enfermaria de acordo com o Chefe de cada grupo
- pequenas cirurgias ambulatoriais, conforme escala
- fazer o pré e pós -operatório dos seus pacientes.

PRONTO-SOCORRO

Falta em plantão é considerada falta grave. O residente faltoso será aquele que constar como plantonista na lista oficial de plantões.

Atividades:

R1
- plantão diurno de 12 horas, das 7:00 as 19:00, de segunda-feira a sexta-feira, conforme grade de estagiários de três meses.
- plantão noturno de 12 horas, das 19:00 as 7:00, diariamente, conforme escala dos residentes.
- plantões de finais de semana e feriados de 24 horas, conforme escala, não sendo permitido aumentar para dobrar para 36 ou 48 horas ou inverter plantões.
- em dias que forem declarados feriados por determinação do departamento (congresso, emendas de feriado, luto oficial), o residente escalado para plantão noturno fará o turno completo de 24 horas, salvo ordem ou combinação em contrario.
- responsável pelo atendimento e realização dos procedimentos e cirurgias.
- ficha de internação, solicitações de exames de pacientes a serem internados pelo PS.
-discussão de caso com internos.
- cobertura de dois R1 nos dias: 24/12 (período de 24 horas), 25/12 (período de 24 horas), 31/12 (período de 24 horas), 01/01 (período de 24 horas) e 31/01 (período de noturnos de 12 horas).
- é obrigação do R1 ou R2 discutir e avisar ao R3 do grupo sobre internação de paciente do PS.

R2
- plantão diurno de 6 horas, das 13:00 as 19:00, de segunda-feira a sexta-feira
- segunda-feira: boca
- terça-feira: nariz
- quarta-feira: nariz
- quinta-feira: extra
- sexta-feira: ouvido
- plantão noturno de 12 horas, das 19:00 as 7:00, diariamente, conforme escala
- plantões de finais de semana e feriados de 24 horas, conforme escala, não sendo permitido aumentar para 36 ou dobrar 48 horas ou inverter plantões
- em dias que forem declarados feriados por determinação do departamento (congresso, emendas de feriados, luto oficial), o residente escalado para o plantão noturno fará o turno completo de 24 horas, salvo ordem ou combinação em contrário.
- discussão de casos com R1 e internos.
- atendimento dos pacientes e realização de procedimentos tecnicamente difíceis ao R1
- participação das cirurgias de emergência/urgência
- atendimentos aos pedidos de interconsultas, quando não realizada pelo R3 por motivo superior, acompanhado do R1, sendo de sua responsabilidade a realização na data prevista ou antecipadamente, a depender da gravidade do caso e finalizar interconsulta.
- é obrigação do R1 ou R2 discutir e avisar ao R3 do grupo sobre internação de paciente do PS.

R3
- plantão diurno de 6 horas, das 8:00 as 14:00, de segunda-feira a sexta-feira, conforme escala baseada nos grupos:
- segunda-feira: plástica
- terça-feira: ouvido
- quarta-feira: nariz
- quinta-feira: nariz
- sexta-feira: ouvido
- orientação e discussão de casos com R1 e internos, assim como participação em procedimentos cirúrgicos e emergência/urgência.
- atendimentos aos pedidos de interconsultas, acompanhado do R1, sendo de sua responsabilidade a realização na data prevista ou antecipadamente, a depender da gravidade do caso, e finalizar interconsulta.
- entrar em contato com fellow e/ou assistente do grupo sempre que houver cirurgia de urgência e/ou caso grave na enfermaria

AMBULATÓRIO

1. Horário mínimo do ambulatório será das 13:00 as 15:30 para R1, R2 e R3 e permanência de todos os residentes até o atendimento do último paciente do ambulatório. A cobrança do horário será RIGOROSA. PROIBIDO IR EMBORA ANTES DAS 15:30

2. Na ausência do residente por motivo de cirurgia de urgência, seus pacientes serão atendidos pelos colegas do grupo e não apenas dispensados.

3. Em caso de férias será solicitado o bloqueio da agenda do residente para que não haja sobrecarga dos colegas. Pacientes que já estavam com suas consultas marcadas antes do bloqueio devem ser demarcados por carta ou telefone pelo próprio residente. Pacientes que não forem demarcados serão atendidos pelos colegas e não apenas dispensados.

4. A distribuição dos casos novos e velhos será feita pelos R1 do nariz, sendo que tais residentes devem comparecer ao ambulatório mais cedo, para garantir o inicio das atividades as 13:00. Na ausência do R1 do nariz (cirurgia), o R1 da boca assumirá a distribuição dos casos novos de R1 e R2. O R1 que distribuiu os casos deve permanecer no ambulatório ate que o ultimo paciente seja atendido.

5. Todas as cirurgias marcadas na pequena cirurgia pelos R1 e R2 devem ser discutidas e mostradas para o R3 que irá participar da mesma. Não será permitida a realização de cirurgia sem que haja um R3 ou preceptor responsável pelo caso, nas dependências do hospital, sendo estes previamente comunicados.

6. Após qualquer procedimento realizado, deve ser preenchido o impresso do faturamento.

ENFERMARIA

1. É atividade obrigatória a presença de todos os residentes na enfermaria de manhã cedo para passagem de visita médica, mesmo aqueles que estejam saindo de plantão.

2. O horário de chegada no máximo até 6:30 para o R1, 6:40 para o R2 e 6:50 para o R3. Em dia cirúrgico o R1 deverá estar em SO até as 7:00 no máximo, devendo sair da enfermaria, independente da atividade que esteja realizando. No caso de existirem vários pacientes internados, o R1 deve chegar mais cedo para que as 7:00 todos os pacientes estejam evoluídos e curativos feitos

3. É obrigatório o conhecimento completo dos pacientes internados por todos os residentes do grupo. A evolução, prescrição, curativos, organização da sala de curativos, exames são responsabilidade do R1 e término destas atividades até as 7:00 para a visita do grupo.

4. Aos sábados, os pacientes devem ser evoluídos por um R1 do grupo, sob supervisão do R2 que está entrando no plantão, sendo que aos domingos e feriados tal evolução será feita pelos plantonistas.

5. A internação do paciente de pronto-socorro deve ser feitas pelo R1 do PS, devendo o R1 do grupo, inteirar-se e avaliar o caso até o máximo 24 horas após a presença do paciente na enfermaria. A folha de internação deve conter: historia completa, EF completo, HD, CD e assistente com quem o caso foi discutido. Todo o paciente que submeter-se a cirurgia deve ter lido e assinado o Consentimento Informado. É obrigação do R1 checar toda manha se houve alguma internação para seu grupo durante o plantão noturno.

6. Todas as condutas devem ser discutidas com R3 do grupo, preceptor ou assistente responsável.

7. Todos os pacientes que receberem alta devem ter folha de internação, resumo de alta e descrição de cirurgia (quando for o caso, devendo ser preenchida pelo residente que operou o paciente). A folha de internação, o resumo de alta, a receita do paciente e os impressos próprios (amígdalas, endonasais) são responsabilidade do R1 do grupo.

8. Todos os pacientes, por ocasião de alta, devem receber o impresso apropriado constando data e unidade de retorno no ambulatório.

9. A AIH dos pacientes convocados pelo telefone devem ser preenchidas pelo residente que convocou o paciente e deixadas à disposição da equipe de enfermagem no “espeto”.

10. É de responsabilidade do R2 do grupo discutir as condutas do fim de semana com R3 ou assistente e orientar o R1, deixando também registradas no prontuário.

11. É de responsabilidade do R1 realizar a internação do primeiro horário cirúrgico do grupo na véspera, com atenção especial para exames de imagem, exames pré-operatórios, medicações. Qualquer dúvida ou problema comunicar o residente que irá realizar a cirurgia. Checar também exames laboratoriais de todos os pacientes da programação do grupo, assim como os prontuários dos mesmos. Em caso de ausência de algum prontuário comunicar a Sra. Marisa, escriturária ORL, logo na manhã do dia seguinte.

12. Na medida do possível, o R1 que interna o caso sobe para instrumentar a cirurgia.

13. É de responsabilidade do R1 o preenchimento dos campos de história das fichas de pós-operatório do Nariz e do Ronco.

14. Paciente “metástase”: é aquele paciente que está sendo acompanhado pelo grupo, porém está internado em outra enfermaria (outras clínicas, convênios). É a função do R1 fazer a evolução e manter todo o grupo informado quanto ao seu estado.

CENTRO CIRÚRGICO

1. O R1 e o residente que irá operar deve estar no centro cirúrgico no máximo até as 7:00, de modo a começar a organizar o material e mesa cirúrgica.

2. O material cirúrgico (endoscópicos, motores, pinças, microscópio, fibras óticas, etc) e de monitoração (TV, vídeo, câmeras, cabos, etc) das cirurgias é delicado e caro, sendo responsabilidade de todos os residentes zelar por sua conservação e bom uso.

3. Na medida do possível, o R1 que interna o paciente na véspera cirurgia, sobe para instrumentar no dia seguinte.

4. Todos os pacientes devem ser vistos em consulta pré-operatória no máximo 14 dias antes da data da cirurgia.

5. Todos os residentes devem conhecer os casos a serem operados (inclusive exames) e a técnica cirúrgica a ser utilizada no mesmo, com pena de não poderem realizar a cirurgia se não souberem.

6. É de responsabilidade do R1, o preenchimento do Diário do Centro Cirúrgico ao fim de cada cirurgia.

7. As fichas de seguimento pós-operatório (ouvido e nariz) e o caderno de microcirurgia de laringe devem ser preenchidas em impresso próprio na sala do Centro Cirúrgico logo após a cirurgia.

8. É de responsabilidade do R2/R3 a documentação completa de casos interessantes na enfermaria e/ou que foram submetidos a cirurgia. Para tal, fica a recomendação do uso de gravadores de DVD para cirurgias com uso de vídeo processador, fotografias de pacientes e de seus respectivos exames de imagem.


DISSECÇÕES NO SVO

1. É atividade obrigatória a realização de dissecções dos R2 e R3 de Boca e Nariz, nas dependências do SVO, sob orientação dos preceptores e/ou fellows de cada grupo. Todo o material necessário, assim como sua devolução são de responsabilidade do R1.

2. Se por qualquer motivo não houver dissecção, o R1 do grupo deverá assinar a presença na secretaria do SVO, para que os horários de dissecção não sejam cortados.

3. O horário dever ser cumprido rigorosamente:
- Boca: segundas-feiras das 12:30 as 15:00h
- Nariz: terças-feiras das 12:30 as 15:00h
- Nariz: quintas-feiras das 19:00 as 21:00h
- Nariz: domingo das 7:00 as 9:00h

SEMINÁRIOS

- O seminário deve ser entregue 15 dias antes de sua apresentação para o preceptor, que terá um período de 7 dias para sua correção. O formato a ser seguido é o mesmo da Revista Brasileira de Otorrinolaringologia (A4, times new roman, tamanho 12, espaço duplo, margens de 25 mm em todos os lados).
- O seminário e a apresentação do seminário deverão ser entregues para os preceptores no dia da apresentação.
- No dia da apresentação deverá ser entregue uma cópia para cada residente ou enviada o arquivo por email. Apresentação de qualquer seminário deverá durar no máximo 40 minutos, com 15 minutos de discussão após apresentação.
- após cada seminário os residentes presentes farão uma avaliação do seminário apresentado, com notas de 0 a 10 para: o formato da apresentação, conteúdo, didática e tempo de apresentação. Está nota será considerada como uma nota de seminário e incluída na avaliação final.
- R1 e R2 comparecem em todos os seminários e os R3 podem comparecer apenas nos seminários de R3.

Importante: Todos os seminários deverão ser mudados dos seminários passados assim como as suas apresentações. Pelo menos uma bibliografia nova deve ser incluída no seminário.

AVALIAÇÃO

A avaliação dos residentes será baseada nos seguintes tópicos:

- Conhecimento Teórico: o conceito será dado pelo resultado das provas teóricas. As notas não serão publicadas no mural. Participação em Seminários: o conceito será baseado na qualidade dos seminários em termos de preparação, nota de seminário e respeito aos prazos de entrega dos mesmos. Também será considerada a participação e pontualidade na chegada aos seminários.
- Participação nas Atividades Diárias da Clínica: conceito baseia-se na participação do residente nas atividades diárias, o cumprimento adequado de suas funções. Também serão avaliados os aspectos: Ética Médica, Responsabilidade Profissional e Conhecimento Médico. A preparação das visitas, discussões de caso e revisões de artigos de Reunião Geral da Clínica também serão avaliadas no presente item. O residente poderá receber ponto negativo de acordo com o critério dos preceptores, com TRÊS PONTOS negativos será suspenso uma cirurgia do residente e quem a fará será o residente mais graduado, o preceptor, o fellow ou o assistente.

- Prova: serão realizadas provinhas nos dias de seminário de R3 contendo os tópicos dos seminários apresentados desde a última provinha e 4 provas trimestrais contendo os tópicos dos seminários apresentados no trimestre.
- O residente que estiver de férias não precisa fazer prova.
- A nota mínima para aprovação é 7 (sete)


04/05/2017
V Curso Teórico-Prático de Rinoplastia para iniciantes - Hands on
11/04/2017
Hearing And Balance 2017, reuniu mais de 700 participantes além de vários palestrantes internacionais
07/04/2017
Veja como foi o primeiro dia do Congresso Hearing And Balance 2017
06/04/2017
Sucesso absoluto - Oficina de Whole-Mount - Introdução a Anatomia da Cóclea Murina: Dissecção e Imunofluorescência
06/04/2017
DR. THOMAZ ANTONIO FLEURY CURADO defende sua tese de doutorado
04/04/2017
31º Curso Teórico Prático de Microcirurgia de Laringe com Dissecção de Peças
03/04/2017
XI Otoneurologia Básica - Princípios e Práticas
30/03/2017
Realizado o 113º Curso de Dissecção do Osso Temporal do Professor Ricardo Bento
22/03/2017
Nota de Falecimento
Outras notícias